Roteiro Turístico

A  freguesia de São Silvestre, também designada por São Silvestre do Campo, foi priorado da apresentação do Marquês de Marialva, mas em 1862 era da apresentação da casa de Manuel Cabral. Em 1840 integrava o concelho de Tentúgal, até à sua extinção por decreto de 31 de Dezembro de 1853, data em que passou para o de Coimbra.
 
Situada próximo da margem direita do rio Mondego, daqui se avista uma  esplêndida paisagem, nomeadamente o parque eólico de Miranda do Corvo (Freguesia de Vila Nova), montanhas de Penela, Coimbra, Campos do Mondego, Pereira e vários até Montemor-o-Velho.
 
Atravessam esta freguesia os rios Mondego e o rio Velho, assim como a Vala do Norte e a ribeira das Azenhas.
 
Os campos do Mondego trazem uma beleza espectacular a esta freguesia. Apercebem-se com relativa precisão os diferentes cursos de água do vale: em baixo, ao longo da estrada, a vala do norte; a duas centenas de metros desta, o leito do rio velho; a meio do campo a vagem grande; finalmente, na orla dos ligeiros pendores do Ameal, vislumbra-se pela fieira rectilínea dos choupos, o leito artificial e moderno do Mondego.
 
Deste deleitoso vale, avista-se a cidade de Coimbra, S. Martinho do Bispo, Taveiro, Reveles, Cegonheira e Ameal.
 
Como ficam além do Mondego, são conhecidas pela Banda d’Além.
 
O solo é de natureza sedimentar. É de notar alguma arborização junto aos cursos de água cedros, grandiosos eucaliptos, choupos do Canadá e freixos.
 
Vêem-se sobre os campos enormes cegonhas e milhafres. As principais culturas são: milho, arroz, oliveira e vinha.” No campo histórico-cultural, importa referir algumas figuras do passado que muito contribuíram para o engrandecimento da Freguesia. A freguesia de São Silvestre teve como grande benemérita, a Cãs Cabral. Foi ela quem deu início à construção da Igreja e doou terreno para o actual cemitério, pelo que, á guisa de agradecimento, o povo cantava:
 
 “Adeus terreiro do Paço
Adeus Casa dos Cabrais 
Adeus riso salão
Onde estão as armas reais”
 
Esta freguesia tem para oferecer um património que é, essencialmente uma herança cultural. Pode ostentar séculos ou milénios, mas deve sempre ser entendido como um conjunto de manifestações que emana dos maus diversos graus do conhecimento humano, gerado por múltiplas gerações que, à sua maneira, compreenderam a necessidade de transmitirem algo aos vindouros. O Património, passado ou actual, funciona sempre como a consciência unificadora de uma identidade histórico-cultural, como se pode verificar, visitando:
 
 
Património arquitectónico
 
 - Igreja Matriz São Silvestre
 - Igreja do Mosteiro São Marcos
 - Capela de N. S. da Ajuda
 - Capela de Quimbres
 - Convento e Cruzeiro São Marcos
 - Casa Nobre