Casa Nobre:

Dados do Património
Nome: Casa Nobre:

Perto da Igreja, com largo terreiro à frente, encontra-se esta casa, de construção setecentista, modificada e largamente ampliada, posteriormente, de dois largos corpos dispostos em ângulos recto. Sobre o portão, encontra-se o escudo esquartelado de Cabrais, Mouras, Coutinhos e Vilhenas. A capelinha particular, no andar nobre, subindo as escadas a direita, é conhecida pelas esculturas que encerra. No altar, em meio de talhas do século XVIII, encontra-se um pequeno retábulo de pedra, datado de 1544, formado de duas colunas, banco, entablamento e remate, comum baixo-relevo, representando a Virgem com o Menino, sentada e, cadeira de alto espaldar, acompanhada de dois anjos oferentes e de outros quatro, pequeno músicos. Trabalho muito fino, cópia certamente de gravuras, não italiana mas setentrional romanizante. Este trabalho de cópia, posto que muito delicado, tira-lhe o carácter que definiria escola, mas não o diminui.
Em cada parede lateral, encontra-se cravado um baixo-relevo, representado o da esquerda São João Baptista, em pé, e o da direita, São Jerónimo ajoelhado, em nichos de ligeiro fundo. Têm cerca de dois palmos e meio de altura e são de um trabalho excepcionalmente delicado, obras de João de Ruão como atesta o confronto com outras documentalmente suas,
da sua época inicial. A casa é dotada de um recheio digno de merecimento, como uma liteira, do século XVII, toda dourada, pintada de grinaldas e
ostentando o brasão esquartelado de Cabais Mouras e Hortas; e ainda uma tela da Natividade, do século XVII.