Igreja do Mosteiro de S. Marcos de Coimbra

Dados do Património
Nome: Igreja do Mosteiro de S. Marcos de Coimbra

A Igreja de São Marcos está classificada como Monumento Nacional (decreto n.º 28 536, DG, I Série, n.º 66, de 22-03-1938; decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910). Tem planta longitudinal, apresentando um portal em estilo manuelino com decoração naturalista.
 
Na capela-mor, concebida por Diogo de Castilho, destaque-se a abóbada de nervuras, o retábulo do altar-mor, em pedra policromada (1522-23; de Nicolau Chanterene), e o acervo de túmulos: à esquerda, o da fundadora do convento, D. Brites de Menezes (de autor desconhecido) e os de Aires Gomes da Silva e Gonçalo Gomes da Silva (de Diogo-Pires-o-Moço); à direita, o de João da Silva (de João de Ruão).
 
Na nave da igreja, em frente ao púlpito (de Diogo Pires-o-Moço), encontra-se o túmulo de Fernão Teles de Menezes (de Diogo Pires-o-Velho), num tratamento típico do gótico flamejante. Anexa à nave abre-se-se a capela dos Reis Magos (segundo Pedro Dias, a conceção desta capela e o essencial da escultura que incorpora poderão ser de João de Ruão e/ou da sua oficina). De características renascentistas – com pórtico em arco redondo, envolvido por pilastras, colunelos, medalhões e com cobertura cupular assente em cornija circular –, a capela acolhe, frente a frente, os túmulos de Aires Gomes da Silva-o-Velho e o de Diogo da Silva e sua esposa (todos datados c. 1572).
 
Por sua mãe ser desta nobre família Silva, aqui jaz sepultado André de Almada, mas, numa campa rasa devido à sua simplicidade de padre jesuíta